Para entender a história dos EUA

Estes vídeos podem ajudar a compreendermos um pouco da história dos Estados Unidos da América. Todos possuem legendas em português, basta clicar na engrenagem na parte inferior direita do vídeo. Nem todos são essenciais para vestibulandos também, então organize bem seus estudos.

Antes que vocês assistam queremos lembrar que estes vídeos tratam de partes pontuais da história dos EUA e requerem um conhecimento um pouco maior do quadro. Para isso recomendo este pequeno livro do professor Leandro Karnal:

Clique na imagem para baixar o livro.

Clique na imagem para baixar o livro.

Boston Tea Party, antes da Independência:

Declaração de Independência dos EUA:

A Carta de Direitos, também chamada de Bill of Rights, explicada:

As primeiras eleições:

Inventando o presidente:

A compra da Lousiana:

Histórico da Guerra da Secessão:

O terceiro fala de Andrew Jackson, o infame sétimo presidente dos EUA:

O quarto sobre a história do sufrágio (direito ao voto) nos EUA:

 

 

Implantação da Colônia Portuguesa

  • Não se inicia de imediato, em 1500, pois Portugal se ocupava com o comércio oriental, além disso na parte que lhe cabia do Novo Mundo (América) não havia sido encontrado ouro e prata ou produtos similares que rivalizassem em competitividade.
  • Uti Possidetis -> princípio jurídico segundo o qual a terra é de quem ocupa.
  • Passados 30 anos da chegada de Cabral, Portugual temendo a invasão de estrangeiros começa a colonização de maneira sistematizada. Foram distribuídas 12 Capitanias Hereditárias, que permaneceram até meados do século XVIII.
  • Pau-Brasil
    • Primeiro produto explorado no Brasil, por ter mercado (tintura) e ser de fácil extração, pois estava em florestas próximas à costa.
    • Feitorias: fortificações construídas ao longo da costa, que serviam para armazenagem e carregamento da madeira nos navios, proteção da costa e como pequenos núcleos colonizadores.
    • Estanco: monopólio da coroa portuguesa sobre a extração do pau-brasil.
    • Escambo: troca, realizada entre indígenas e portugueses. Os primeiros faziam a extração e o transporte da madeira e em troca recebiam objetos de pouco valor financeiro, como espelhos, miçangas, colheres etc.
    • Contrabandistas estrangeiros começam a aportar na costa brasileira para também extrair a madeira, o que levou Portugual a enviar expedições militares para patrulhar a costa.
  • Cana-de-Açúcar
    • Seu plantio já havia sido implantado com sucesso no arquipélago de Açores, na Ilha da Madeira, Cabeo Verde, São Tomé e Príncipe.
    • Produto altamente lucrativo e incentivado pelos Banqueiros de Flandres.
    • Sistema de Plantation.
    • Engenho.
  • Estrutura da sociedade

Pirâmide da sociedade açucareira.

  • Escravidão
    • Os FIlhos de Cam.
    • Os índios seriam almas puras, como crianças, devendo portanto ser convertidos ao cristianismo e não escravizados.
    • A captura de prisioneiros de guerra para escravidão era práticada por alguns povos africanos.
    • Navios Tumbeiros – onde os africanos eram transportados para a América, sob péssimas condições.
    • O comércio de africanos (tráfico negreiro) era mais um mercado a ser explorado.

Continuar lendo

A Escravidão e os Filhos de Cam

O mapa do mundo dividido entre os filhos de Noé, desenhado em 623 por Isidore de Sevilha

18. Os filhos de Noé que saíram da arca eram Sem, Cam e Jafet. Cam era o pai de Canaã.

19. Estes eram os três filhos de Noé. É por eles que foi povoada toda a terra.

20. Noé, que era agricultor, plantou uma vinha.

21. Tendo bebido vinho, embriagou-se, e apareceu nu no meio de sua tenda.

22. Cam, o pai de Canaã, vendo a nudez de seu pai, saiu e foi contá-lo aos seus irmãos.

23. Mas, Sem e Jafet, tomando uma capa, puseram-na sobre os seus ombros e foram cobrir a nudez de seu pai, andando de costas; e não viram a nudez de seu pai, pois que tinham os seus rostos voltados.

24. Quando Noé despertou de sua embriaguez, soube o que lhe tinha feito o seu filho mais novo.

25. “Maldito seja Canaã, disse ele; que ele seja o último dos escravos de seus irmãos!”

26. E acrescentou : “Bendito seja o Senhor Deus de Sem, e Canaã seja seu escravo!

27. Que Deus dilate a Jafet; e este habite nas tendas de Sem, e Canaã seja seu escravo!”

Gênesis Capítulo 9

À estes versículos bíblicos foi atribuída a interpretação católica que respaldou a escravidão de negro africanos – filhos amaldiçoados de Noé, condenados pelos próprio a servirem de escravos aos descendentes de Sem e Jafet, maldição registrada no próprio livro sagrado dos católicos.

No ano 2000 o papa João Paulo II escreveu um documento onde pedia perdão por uma série de crimes cometidos pela Igraja Católica em nome de deus, ao longo de sua existência e entre eles a escravidão:

Tais homens, mulheres e crianças foram vítimas de um vergonhoso comércio do qual tomaram parte pessoas batizadas, mas que não viviam sua fé (…). Deste santuário africano da dor negra, imploramos o perdão do céu. Nós oramos para que no futuro os discípulos de Cristo se demonstrem plenamente fiéis à observância do mandamento do amor fraterno que lhes foi legado pelo seu Mestre. Nós oramos para que os cristãos nunca mais sejam os opressores dos próprios irmãos(…)

João Paulo II – Carta Encíclica Reconciliatio et Paenitentia (Sobre a Reconciliação e a Penitência na Missão da Igreja de Hoje),02/12/1984. Ed. Vozes, Documentos Pontifícios, nº 204, 1984. pp222-223.

Este trecho bíblico ainda é utilizado por alguns grupos cristãos para o exercício de outras formas de preconceito, como atribuir problemas de ordens econômicas, históricas e sociais que afligem parte do continente africano à uma maldição divina, descontextualizando-os.

Continuar lendo