Origem da Industrialização de São Paulo

O Imigrente - 1908 (4)

Mapa da revista “O Imigrante” de 1908.

  • Durante o período em que o Brasil era uma colônia (1500-1815) o desenvolvimento da manufatura e da indústria não era permitido e foi em alguns momentos formalmente proibido pela coroa portuguesa (Pacto colonial → Relação Colônia/Metrópole).
  • Era Mauá
    • Primeiros investimentos notáveis em indústria no Brasil
    • Promove ferrovias, indústria naval, telecomunicações e estrutura bancária.
  • A cultura do café se expande para as regiões de planalto de São Paulo e em 1880 esta região ultrapassa o Vale do Paraíba em produção.
    • Desenvolvimento do comércio e de estrutura bancária.
    • Investimentos em infraestrutura para o escoamento da produção, principalmente em ferrovias, comunicação e posteriormente em uma rede de distribuição elétrica.
    • Constituição de uma burguesia cafeeira, que já não lida apenas com escravos, mas também com trabalhadores livres assalariados, promovendo assim uma mudança na forma de trabalhar e lidar com funcionários.
    • Gera um acúmulo capital que posteriormente será investido na criação de indústrias.
  • Imigrantes chegam no Brasil na segunda metade do século XIX e início do século XX, se inserindo na economia de três formas:
    • Como colonos em fazendas, onde eram trabalhadores assalariados.
    • Como pequenos comerciantes.
    • Construindo pequenas indústrias através de um modesto capital.
  • “Contradição” na relação entre café e indústria:
    • Os interesses do produtores de café não se alinhavam com a industrialização, no entanto não a excluia.
    • A cada crise do café um contingente de trabalhadores via-se desempregado, reduzindo o mercado consumidor da indústria, mas, pelo êxodo rural, ao mesmo tempo ampliava-se a reserva de trabalhadores da indústria.
    • As mesmas crises do café apontavam para alguns cafeicultores a fragilidade de sua produção, o que os incentivou a reinvestir seus ganhos na indústria.
  • Com a Primeira Guerra Mundial as importações são dificultadas e a demanda interna por produtos impulsiona o processo de industrialização. → Substituição de importações
    • Indústria focada em bens de consumo não duráveis
    • Predominante indústria têxtil e alimentícia
  • Fatores locacionais que justificam a distribuição da indústria paulista:
    • Transporte → Distribuição da malha ferroviária
    • Presença de capital que pôde ser investido na industrialização
    • Mercado consumidor → trabalhadores assalariados, em grande parte imigrantes.
    • Mão de obra → imigrantes que não foram trabalhar nas lavouras de café, ou que as abandonaram.

Mapa São Paulo